sexta-feira, 13 de junho de 2008

"Fim dos Tempos"

O cinema não é frio como antigamente. Não coloco a blusa. Decido por a mochila na cadeira ao lado direito. "Talvez ela chegue", penso. Não chegou. Um cara estranho passa, "Licença" e senta ao meu lado, tive que tirar a mochila. Não nos falamos. Eu nem falo com estranhos mesmo. O filme começa. Mostra uma praça, cheia. Acho lindo os risinhos de fundo no início do filme. Aí descubro que é uma gente "recém-adolescida" sentada logo à frente que o produz. Aí passo a achar feio. Escuto o primeiro "shhhh", la do fundo. Sorrio. Eles param. O cara do meu lado esquerdo aponta para a namorada o boom que escapou e apareceu brevemente na cena. Eu não vi. Mas ouço o estalar de lábios dele com a namorada. "Esse cara não vai ficar observando coisas o filme todo, vai?", me pergunto. Sinto vontade de fazer xixi. "Saco, vai ficar o filme todo", quase fico alfito. Vejo mortes repentinas. Gritos. "É esteticamente bonito", reflito. Ah! Um susto! As crianças lá da frente riem. O casal da esquerda ri. Eu não rio. O cara estranho não ri. Mais "shhhhhhh". O povo se acalma. O filme continua. "Oh, onde está a moça e a menina", penso. "Elas estão na casinha", diz o homem lá de trás. Incoveniente do caralho. Fecho meus olhos. Conto até 5. Escuto a voz dele novamente e "SHHHHHHHHHHHH". Ah... Foi a minha vez, que prazer! Ele se cala. O homem da direita, o estranho, me olha rapidamente. "Ele pode me matar", eu penso. Mas acho que se ele dissesse algo ele me agradeceria. Ele já não é tão estranho assim. Mas tenho a impressão que ele mata pessoas. Já nem tenho certeza se ouvi a voz dele quando me pediu passagem. O filme prossegue, sem surpresas. Só sustos. "Um filme B divertido", disse o diretor. É, isso é. O filme acaba. A criançada lá da frente urra. Alguns aplaudem, sardônicos. Outros reclamam. Queriam surpresas. Eu me levanto sem me despedir do estranho e nem do casal apaixonado. Saio do cinema e coloco a blusa, lá fora está frio. Vou embora com a sensação de saudade de toda aquela gente que dividiu um momento comigo, mas que eu nunca mais vou ver. "Talvez eu veja", mas eu não me lembraria.

Um comentário:

Tallulah disse...

Esse texto é tão você.
EU IMAGINO TUDO.

INCLUSIVE SEU SHHH.

Você é um cacete.