segunda-feira, 6 de setembro de 2010

A Noite Do Meu Bem

- Sinto como se eu tivesse te roubado uma poesia.

Ele saiu pela cidade sem estar certo do que queria encontrar. Havia um beco sujo que ele entrou. Parou diante de uma porta metálica. Pode ouvir uma música abafada e risadas. Aproximou-se, abriu a porta e então se deixou invadir pelo lugar. Um zumbido disforme tomou seu ouvido e a multidão aglomerada naquele ambiente fazia com que vultos coloridos surgissem freneticamente em sua frente.

Entre tantos braços, mãos, rostos e saliva, persistia em sua mente um olhar, como premonição. No entanto, em meio àquela confusão, ele não conseguia pronunciar nenhum nome. Uma moça de simpatia vulgar lhe exibe um sorriso de plástico no balcão. Ele pede um drinque e finge se concentrar no gelo que bóia na bebida. Conforme ia bebendo, a luz e o ruído do local iam penetrando mais e mais a sua mente.

Num determinado momento não sabia se o que via estava ao seu redor ou dentro da sua cabeça. Pensou estar voando. "Você está bem, cara?", pode escutar a moça do balcão perguntando. "Eu estou meio tonto", disse, ou pensou em dizer. "Não sofra mais", disse uma voz masculina. A luz e o ruído, então, deram lugar a um breu agudo e sem fim.

- Ahhh!

Acordou assustado, suando muito. Estendeu os braços e olhou para suas mãos. Estavam vazias. Mãos limpas de um anjo torto. Arrepiou-se. Quis se lembrar do que acontecera na noite passada. Ou no sonho recente. Não tinha certeza de nada. Só que por um momento as luzes frias daquele lugar foram interrompidas por uma voz alegre que brilhava como esmeralda. Entendeu, pois, que anjo não era ele, torto, e sim aquele que conseguia ser mais bonito que qualquer palavra escrita.

No rádio que ele não se lembrava ter no quarto, Dolores Duran cantava:

"Hoje eu quero a rosa mais linda que houver
quero a primeira estrela que vier
para enfeitar a noite do meu bem..."

Enquanto a voz daquela cantora ia se desfazendo no sonho que emergia, ainda se lembrando do anjo, cerrou o olhar para preservar toda a pureza que ele queria lhe dar.

2 comentários:

B disse...

No rádio que ele não se lembrava ter no quarto, Dolores Duran cantava:

"Hoje eu quero a rosa mais linda que houver
quero a primeira estrela que vier
para enfeitar a noite do meu bem..."


Isso é absolutamente fantástico, maravilhoso e indescritível você.
Eu sei que meus comentários acabam sendo repetitivos, mas você tem uma coisa na escrita que é simplesmente deliciosa. Eu amo te conhecer. Amo.

joão pedro wapler disse...

oi dario! que bom que você tem sido assíduo no meu blog. abraços.