sexta-feira, 19 de novembro de 2010

A Dor Da Viúva Ausente

A foto desbotava no alto da lápide. As letras de bronze cravadas na pedra estavam escurecidas. Nenhuma flor ou vela. Nem silêncio havia ali. O choro mudo da viúva estava sepultado em casa, no escuro do quarto que o marido nunca mais frequentara.

- Eu não sou a única.

Definhava numa compreensão vesga da realidade. Enlouquecia. Sentia-se suja quando madrugada procurava o marido morto em outros homens. Sentia-se santa, quando amanhecia e convalesciam-se de sua dor.

Sentia-se só. Sentia-se inteira.

4 comentários:

Lúcia disse...

Esse é o meu sobrinho!!!
Muito bom, mas muito bom mesmo!!!
beijos

Clouds In My Tongue disse...

Como sempre, um inspirador!
Preciso aprender a transparecer sentimento em palavras como vc faz.
Um dia ainda passarei em frente a uma livraria e verei uma grande foto sua anunciando uma tarde de autografos.
Mais uma vez esta de parabens.

oescafandrista disse...

Bom, Dario, gostei mto. Mistura de Nelson Rodrigues com Clarice.

Eduardo Escames disse...

Bonito.
Mais uma gota de sensibilidade e poesia em nosso cinza dia-a-dia.

Obrigado.