terça-feira, 21 de agosto de 2012

Uma tarde Bela nos uniu


Cabelos de Iemanjá.
Saias de Iansã.
Minha menina passeia na praia.
E carrega os ventos nos olhos.
Quando me fala, feita de verso e poesia,
É Oxum que está em sua boca.

Rios correm seus cabelos.
Mar no rosto quando sorri.
Sua voz é uma manhã suave.
E sua força um colosso selvagem.
Do alto da serra, nos encontramos
quando há música.

Evoé, minha irmã.

Um comentário:

Bruna Katharina disse...

Janaína chora de saudades...
Aquele que lhe ensinou a poetizar, Oxóssi levou pra mata, seu verdadeiro lar.
E agora Janaína só se lamenta... nem quer mais os marinheiros encantar.
Danado Caboclo que apareceu sem avisar, palavreou sua alma e foi... era sua missão a ensinar.
Janaína, mesmo inconsolável, agradece à Olorum porque aquele maldito caboclo a ajudou a se encontrar.
E agora que ela sabe quem é, o que fará?
Oxóssi, traz o Caboclo de volta pra ele explicar... deixa o Caboclo vir pro mar pra dizer pra Janaína que sempre que ela cantar, ali ele estará.

<3